Gestão

O jogo mudou, e a sua empresa vai ficar parada?

20 de Outubro de 2016- Por Rafael Teles - CEO

O consumidor está com muito poder, a concorrência está cada vez maior, temos um problema econômico instaurado em nosso país, e a tecnologia faz com que os diferenciais de ontem já não sejam o suficiente para hoje.

O que fazer em um cenário tão complexo?

Não existe fórmula mágica, nem mesmo uma receita pronta, mas podemos mesclar conhecimento e atitude, afinal as grandes batalhas sempre foram vencidas sob esta ótica. O que seria isso na prática?

Precisamos  pensar nas competências essenciais do negócio:

- Qual dor do cliente a sua empresa resolve?

- Qual tipo de experiência você entrega para o consumidor?

- Qual o seu nível de respeito nessa relação tão mágica que é o consumo?

- Quanto a sua marca está ligada ao espírito do momento e ao contexto sócio econômico?

- Qual é o seu diferencial?

- Quão melhor você é, comparado aos seus concorrentes?

- Qual o seu posicionamento?

- E o melhor de todos os questionamentos: se a sua empresa não existisse, o que o mundo perderia?

Todas as marcas de grande sucesso no mundo, e que geralmente são imunes a crises, tem todas estas questões respondidas na ponta da língua. Afinal, são estes pontos que definem o DNA da empresa, a cultura para o mercado, clientes, funcionários e sociedade.

Tome o cuidado de não deixar que o mercado interprete a sua empresa da forma que bem entender. Você é o grande responsável por ditar a imagem da sua marca, e o que vão falar a seu respeito quando você não está perto, deve ser bastante calibrado.

Torne a sua marca relevante para as pessoas

Uma pessoa, a partir do momento em que acorda, até a hora de dormir, é impactada diariamente por cerca de 3.000 marcas. Se a sua marca não for relevante, ela pode se tornar um problema. É importante abrir com o seu consumidor, um diálogo que nunca mais se fecha. Detenha um arsenal poderoso para que o seu território de marca possa, no máximo, ser abalado, mas jamais conquistado por outra marca.

Uma marca precisa “vender antes de vender”, ou seja, o processo de vendas deve começar muito antes do fechamento da venda de fato. Para isso, é necessário criar audiência, gerar valor e só depois vender. 

Criar audiência é estar sempre presente, abrir um diálogo sólido com o mercado e pensar a médio e longo prazo.

Gerar valor é, através do seu conhecimento, fazer o cliente entender que você é autoridade no assunto. Como? Prove o que está falando, mostre que você tem estrutura de atendimento e que não vai deixá-lo na mão. Além disso, é fundamental dar destaque aos diferenciais da sua marca, e se você não os tiver, essa é a hora certa para criá-los. 

Você deve ser a melhor opção para o seu cliente

Cada dia que passa o consumidor tem mais poder de escolha, e está mais racional para realizar a compra. A concorrência está bastante acirrada e tudo isso deve ser feito da maneira mais automatizada possível, de forma que as informações estejam organizadas e a energia, tempo e dinheiro sejam rentabilizados. Assim, o cliente conclui inconscientemente que a sua empresa é a melhor opção para a sua escolha, como a melhor solução para a dor que ele precisa resolver.

Encarar todo esse processo sozinho não é fácil, mas a Gênia está preparada para te ajudar. Entre em contato com a gente, vamos bater um papo. 

O que achou dessa postagem?

Nos mande seu comentário, é simples e rápido.

Compartilhe essa Notícia:
Rafael Teles - Agência Gênia
Rafael TelesCEO

Receba em primeira mão

Cadastre-se e receba as novidades em seu e-mail.

OUTRAS POSTAGENS

Anterior

O que aprender com o Super Bowl?

Proximo

De freelancer à CEO: A importância do…