Ilustração

Ilustração: Como Entender o Mundo Segundo um Desenhista

23 de Junho de 2015- Por Lionel Freitas - Diretor de Criação0

Sem dúvida alguma a habilidade de desenhar é um dos talentos que inúmeras pessoas desejariam ter, aprender ou desenvolver. E a publicidade em si é uma das profissões que melhor souberam tirar vantagem dessa habilidade humana. 

Muita gente acha que para ser publicitário é preciso saber desenhar, mas é claro que isso passa muito longe de ser uma regra. A única verdade nisso é que há muitas semelhanças entre o processo cognitivo de criar uma peça publicitária e um desenho. Sabendo disso, se o publicitário consegue juntar essas características: a habilidade publicitária e técnicas de um desenhista, a chance de conseguir reunir seus pensamentos em um resultado visual serão muito mais intuitivas.

Mas o que mais surpreende as pessoas é descobrir que longe de ser um dom divino, que vem com a sorte como muitos pensam, desenhar é muito mais parecido com o talento musical do que talento manual. É verdade: a habilidade de transferir para o papel tudo o que sua imaginação puder inventar é muito mais resultado de uma série de técnicas adquiridas ao longo do tempo (as vezes desenvolvidas por você mesmo ou adquirido em livros ou cursos), muita dedicação e treinamento constante. Prova do que estou falando é que, todos nós, quando somos crianças, temos aquela vontade inquietante de pegar um giz de cera ou um lápis de cor e sair rabiscando papéis ou até as paredes da casa. Mais do que despertar a fúria dos pais, quando pequenos, nossa mente está se expandindo, absorvendo uma quantidade absurda de informações e imagens, sendo natural procurarmos uma forma de expressar essa explosão de cores e formas, essa bagunça mental que estamos vivendo porque a linguagem vocal ainda não está desenvolvida e não nos permite dizer o que queremos.

Ai chegamos num ponto crucial: a grande maioria das pessoas deixa de desenhar a medida em que se desenvolvem, crescem, enquanto outras, não importa o que aconteça, não perdem esse costume. E é por isso que quando atingem uma certa idade, seus desenhos tem um aspecto e qualidade muito acima das pessoas comuns. Não é dom divino, é só um exercício de repetição.

Então desenho é prática? Só isso?  

Quase isso. Existem muitas dicas e técnicas de desenho por aí. Minha dica é: se você tem vontade de desenhar, comece o quanto antes, sem se preocupar com o resultado. O importante é começar a exercitar sua mente e educar sua mão para isso, porque mesmo quem já desenha bem, nunca o deixa de fazer e assim a melhoria é contínua. Outra dica: Engane seu cérebro. Pense no que quer desenhar, mas, enquanto esboça, não pense no resultado final. Preocupe-se em lapidar as formas, divertir-se no processo de riscar o papel. Quando você pensa no resultado final, cria expectativas de um resultado que as vezes só se alcança depois de riscar a mesma forma várias vezes. 

É isso: comece rabiscando, sem grandes expectativas. Aproveite para ir “soltando a mão”. Nisso você começa a se divertir, vai acrescentando um detalhe aqui e outro ali e ai sim, quando percebe já fez várias figuras que lembram muito o que você queria antes de começar.

Quer dizer que é totalmente possível aprender a desenhar mesmo depois de adulto? 

Sim. Mas não quer dizer que seja simples. A maior dificuldade de você querer aprender depois de adulto é que talvez você não tenha mais a paciência nem tempo necessário para isso. Experimente como um hobby, sem grandes cobranças (percebeu que de uma hora para outra, voltar a pintar figuras com lápis de cor visando o relaxamento ou antiestresse virou moda?). Como disse no tópico anterior: curta o processo, não apenas o ponto final da viagem. A imaginação não tem idade e a criatividade não tem limites.

Busque a sincronia perfeita entre sua mente e sua mão.

Busque a sincronia perfeita entre sua mente e sua mão.

A grande sacada de criar um desenho é utilizar um elemento iconográfico, ou seja, uma figura que em qualquer cultura seja facilmente reconhecida. Existem duas técnicas para encontrar a melhor representação de uma figura: formas e contornos. Os contornos são as linhas e curvas, e as formas são figuras com preenchimento interno, como as formas geométricas primitivas. Se eu precisasse resumir em um desenho, como funciona a mente de um ilustrador, eu explicaria com algo mais ou menos assim:

Bem empolgante não é? Agora você consegue ver um objeto, identificar sua forma e até mesmo altera-lá mentalmente, podendo repassa-lá manualmente ao papel de maneira habilidosa e esteticamente bem feita. Então mais que habilidade, a técnica também tem que ser estudada e praticada.

Aqui na Gênia não poderia ser diferente. Temos uma equipe preparada para unir a sua marca com elementos ilustrados de uma forma diferenciada, adicionando características únicas a sua comunicação, como já fizemos nos exemplos do nosso portfólio destacados abaixo:

Ou seja, precisou de algo que envolva ilustração? Já sabe, a Gênia está preparada para isso. Entre em contato conosco pelo e-mail, site ou pelo formulário abaixo.

O que achou dessa postagem?

Nos mande seu comentário, é simples e rápido.

Compartilhe essa Notícia:
Lionel Freitas - Agência Gênia
Lionel FreitasDiretor de Criação

Formado em Publicidade e Propaganda, habita desde criança o mundo dos desenhos e ilustrações e utiliza sempre que pode este superpoder. Adora ler e escrever nas horas vagas e vive inventando histórias malucas que por enquanto guarda apenas na gaveta. Adora ver filmes e avisa desde já que é Nerd, mas um nerd bem contido, não esses que ficam chorando quando vêem um trailer do novo Star Wars.

Receba em primeira mão

Cadastre-se e receba as novidades em seu e-mail.

OUTRAS POSTAGENS

Anterior

O que aprender com o Super Bowl?

Proximo

Istambul e Amsterdam: Cidades ou Marcas?