Gestão

Crie uma Marca de Ruptura e Pare de Reclamar do Mercado

16 de Agosto de 2016- Por Rafael Teles - CEOCrie uma Marca de Ruptura e Pare de Reclamar do Mercado

Marcas de ruptura, são marcas que revolucionam uma categoria. São marcas que não se contentam em ser mais uma marca em um cenário onde tudo está cada vez mais igual.  Para falar sobre isso, trago novamente um conceito da Youngme Moon, professora de Harvard e autora do Livro "Diferente, quando a exceção dita a regra".

Mas antes de aprofundarmos sobre o conceito, aqui vão alguns questionamentos:

Os Simpsons, é um desenho ou uma Sitcom?

Cirque du Soleil é circo ou espetáculo artístico?

Swatch é um relógio ou um acessório de moda?

Estas três marcas são exemplos de marcas de ruptura. Marcas que extrapolaram sua categoria, criando uma nova categoria. Desviam do nosso estereótipo a ponto de pôr em dúvida a validade das generalizações. As marcas de ruptura nos obrigam a ver a diversidade. Pode-se dizer que se deleitam com nossos estereótipos, já que elas vivem de virá-los de cabeça para baixo.

Mudar o consumidor é um desafio extremamente complicado, especialmente quando se trata de uma categoria madura, em que os padrões e estereótipos estão enraizados. Algo que as marcas de ruptura geralmente fazem muito bem, é conectar dois universos para criar algo que realmente tenha uma cara nova, misturebas com a simples simbiose de criar vantagens divinas.

Um exemplo de quem faz isso com maestria, são os rappers atuais. Pode soar engraçado quando digo que gosto de rap para uma pessoa que tem preconceito com este estilo de música. Mas quando provo que o RAP atual é uma mistura de bolero, jazz, MPB e até outros estilos, as pessoas simplesmente aderem ao novo. Em outros casos isso pode demonstrar um contraste tão desconcertante que acaba virando uma revelação.

As marcas de ruptura, simbolizam uma completa desconstrução das definições tradicionais de uma categoria. São marcas contestadoras que transformam sua indústria e deixam sua marca, expandindo as definições de um produto e obrigando os concorrentes a correrem atrás dela.

A Swatch deu origem a uma nova categoria de relógios.

Os Simpsons deram origem a um novo gênero de televisão.

O Cirque du Soleil até hoje não tem um concorrente à altura, é uma marca Sui Generis.

E a sua marca como está, ela é uma marca de ruptura ou generalista?


O que achou dessa postagem?

Nos mande seu comentário, é simples e rápido.

Compartilhe essa Notícia:
Rafael Teles - Agência Gênia
Rafael TelesCEO

Receba em primeira mão

Cadastre-se e receba as novidades em seu e-mail.

OUTRAS POSTAGENS

Anterior

O que aprender com o Super Bowl?

Proximo

Clientes sem Dúvidas e a Certeza de…